BLOG DA ACADEMIA

Protocolo de ativação para expansão rápida da maxila na dentição decídua e mista

Dra. Juliana Pereira Andriani
Por Juliana S. P. Andriani

           A expansão rápida da maxila tem como objetivo restabelecer a dimensão transversa da maxila através da abertura da sutura palatina medida. Contudo, apesar dos inúmeros trabalhos publicados sobre o tema, não há um consenso na literatura quanto ao protocolo de ativação para expansão maxilar ideal para disjunção na dentição decídua e mista. Entenda mais sobre o protocolo de expansão rápida da maxila em pacientes em crescimento.

Definindo a expansão rápida da maxila

           O procedimento de expansão maxilar busca reestabelecer as dimensões transversais da maxila através de movimentos ortodônticos, ortopédicos ou mesmo através da combinação de ambos1. Inicialmente, a força aplicada transversalmente à maxila causa inclinação vestibular dos dentes posteriores e deflexão alveolar, contudo, se a quantidade de força acumulada for suficiente para obter estiramento das suturas intermaxilares (sutura palatina mediana), a separação das hemi-maxilas irá ocorrer, caracterizando o procedimento de disjunção maxilar.

disjunção da maxila

           Mas afinal de contas, qual a protocolo ideal para expansão rápida da maxila?

           O fato é que não há um único protocolo de ativação ideal, já que o objetivo do procedimento será obtenção de máximo movimento ortopédico (abertura das suturas) e mínimo movimento dentário, sendo que a resposta ao procedimento irá variar de acordo com a resistência esquelética do indivíduo. Portanto, podemos concluir que a maturação esquelética irá influenciar diretamente na resposta ao procedimento, sendo que a resposta será individualizada.

           Partindo desse princípio, onde a resistência esquelética influenciará na resposta ao procedimento, podemos entender que quanto maior o embricamento entre as suturas da face, ou seja, quanto mais velho o indivíduo, maior deve ser o acúmulo de força necessário para otimizar a separação das hemi-maxilas. Portanto, de maneira geral, é importante que o profissional estabeleça diferentes protocolos de acordo com as diferentes faixas etárias.

           Quando falamos do uso de aparelhos expansores fixos, podemos considerar que na expansão maxilar rápida, o parafuso é ativado ente 0,2 a 0,5 mm/ dia2,3 , enquanto que na expansão maxilar lenta o parafuso expansor é ativado entre 0,4 a 1,1 mm/semana1,4.

Protocolo de ativação para expansão rápida da maxila na dentição decídua

           Entendemos que quanto mais velho o paciente, maior o embricamento nas suturas e portanto maior a necessidade de acúmulo de forças. Em virtude disso, podemos considerar que na dentição decídua a resistência esquelética para separação das hemi-maxilas é pequena e por isso não há necessidade de acúmulo de grande quantidade de forças para obtermos resposta esquelética satisfatória em resposta ao procedimento de disjunção.

           O trabalho publicado por Chaconas e Caputo4, já em 1982, já mostrou que mesmo um aparelho tipo quadrihélice é capaz de liberar força suficiente para abertura da sutura palatina mediana, apesar de não apresentar o mesmo efeito ortopédico que os aparelhos tipo Haas ou Hyrax.

quadrihélice
disjuntor de Haas

           Portanto, na dentição decídua a regra é cautela. Não há necessidade de acumular grande quantidade de forças, até porque o paciente irá responder muito facilmente ao procedimento.

           Na dentição decídua, 1/4 de volta por dia (aprox. 0,2 mm de abertura/dia) é o suficiente para otimizar uma resposta esquelética, muito embora, ativação de 2/4 por semana também se apresenta satisfatória nessa faixa etária.

Protocolo de ativação para expansão maxilar rápida da maxila na dentição mista

           Na dentição mista, podemos utilizar um protocolo de ativação com maior acúmulo de força, buscando assim diminuir o período de ativação do aparelho expansor.

           Para pacientes em dentição mista, protocolo de ativação de até 2/4 de volta por dia (duas ativações por dia – 0,4 mm/dia) é suficiente para obtenção de resposta esquelética satisfatória. Normalmente nesse tipo de protocolo as ativações são realizadas em intervalos aproximados de 12 em 12 horas para que a liberação de força no sistema esquelética seja mais uniforme, já que a mesma se dissipa no intervalo aproximado de 12 horas.

L           ogo abaixo gravei um vídeo que pode te ajudar no protocolo de ativação para pacientes em dentição mista.

           Como conversamos, há uma grande variabilidade de protocolos de ativação. Não se preocupe em estabelecer um único protocolo ideal… Avalie a resposta e as características de seu paciente. Já me deparei com situações em que os pais saiam cedo para trabalhar e não conseguiam fazer a ativação pela manhã. Simples: optei por ativar uma vez ao dia. Qual o inconveniente de diminuir o protocolo de ativação? Na verdade, clinicamente não haverá grande diferença, a única questão é que o profissional irá demorar mais para atingir a dimensão transversa desejada, o que pode exigir um maior período de controle. de qualquer forma, a resposta esquelética certamente será satisfatória.A literatura evidencia isso!

Bons estudos!

Referências:
Ficarelli JP. A brief review of maxillary expansion. J Pedod 1978;3:29-35.
Haas AJ. The treatment of Maxillary deficiency by opening the midpalatal suture. Angle Orthod 1965;35:200-217.
Isaacson R, Ingram A. Forces produced by maxillary expansion II. Forces produced during treatment. Angle Orthod 1964;34:261-270.
Krebs A. Expansion of the midpalatal suture, studied by means of metallic implants. Acta Odontol Scand 1959;17:491-501.

Por Juliana Pereira Andriani.

Quer saber mais sobre Expansão Maxilar na dentição decídua e mista? Confira nosso curso online e domine o diagnóstico da atresia maxilar, o planejamento e execução da expansão maxilar em pacientes em crescimento.

expansão-maxilar

RELACIONADOS NO BLOG